O que mudará para a Huawei com Joe Biden como presidente dos EUA?

huawei joe biden eua

Agora que Joe Biden for oficialmente eleito como o novo presidente dos EUA, com razão se pergunta o que acontecerá com HuaweiEra maio de 2019 quando a ordem executiva do governo Donald Trump impôs uma proibição tão polêmica quanto prejudicial à sociedade chinesa. Em um ano deixou de ser uma das empresas mais relevantes no cenário tecnológico para acabar sendo derrubada por várias nações. Apenas ver eu números de vendas na Europa, indo do 2º ao 4º em alguns meses. Mas agora que Donald Trump não está mais à frente dos Estados Unidos, o que a Huawei pode enfrentar?

LEIA TAMBÉM:
Huawei, ofertas para o Dia dos Solteiros 11.11 com descontos de até 50%

Joe Biden substitui Donald Trump como presidente dos EUA: o que acontecerá com a Huawei?

logotipo da huawei

Por que Donald Trump está com raiva da Huawei?

Em primeiro lugar, porque a Huawei foi banida por Donald Trump pode ser facilmente rastreada até suas políticas nacionalistas e isolacionistas. Trump conduziu um verdadeiro guerra de dever que rompeu as já historicamente delicadas relações entre os EUA e a China. Guerra que basicamente terminou no início de 2020, quando a China veio envolvido na compra de produtos americanos no valor de $ 200 bilhões em dois anos. Uma vitória para as políticas de Trump, mas que criou um claro descontentamento nos mercados.

Como lidamos com em nosso editorial na época, o confronto entre a Huawei e os Estados Unidos vê razões e erros de ambos os lados. As empresas chinesas, em particular a Huawei, foram várias vezes impedidas de realizar dinâmicas anticompetitivas. Mas é inegável que a inclusão da Huawei na Lista de Entidades teve algum timing, ocorrendo após o período de queda de vendas do americano Apple. Basta fazer 2 + 2 para entender como Trump agarrou a bola para impedir o avanço da Huawei no Ocidente, vendendo na sociedade uma ameaça para um mercado de tecnologia cada vez mais centrado na Ásia.

Os motivos foram bem diferentes, como sabemos, acusando a Huawei (mais tarde também TikTok e WeChat) para ser um ameaça à segurança nacional. Uma acusação séria que, no entanto, nunca viu evidências concretas na placa; no entanto, a Huawei sofreu fortes repercussões, a começar pela impossibilidade de equipar seus dispositivos com os serviços do Google. Mas o que vai acontecer agora?

O que mudará com Joe Biden?

Vamos supor que, no momento, não se saiba se e o que Joe Biden vai querer fazer para mudar as políticas aplicadas por Donald Trump contra a Huawei. Mas há uma série de elementos a levar em consideração para se ter uma ideia de como a situação pode evoluir. O primeiro, talvez o mais relevante, é que Joe Biden se tornou conhecido pela maioria das pessoas como Vice-presidente durante a administração de Barack Obama, de 2009 a 2017. Período histórico em que as relações entre os EUA e a China (incluindo a Huawei) se revelaram relaxadas, embora com algumas divergências.

Se a administração Trump muitas vezes se mostrou exagerada, com aquele Biden parece que voltaremos a uma vida mais pacífica. "Serei um presidente que une, não divide”É talvez uma das frases mais simbólicas do discurso do presidente eleito após o fim das eleições. Como afirmam analistas e políticos, com Biden haverá uma volta à normalidade na gestão da política externa, com a adoção de uma linha mais branda. De acordo com o que ele diz economista Michele Boldrin, as divergências comerciais com Huawei, ZTE e TikTok poderiam ser resolvidas com acordo de cavalheiros na ordem de bilhões de euros.

Devemos também considerar que o vice-presidente da Califórnia Kamala Harris ha fortes ligações com o Vale do Silício e isso pode ser bom para a Huawei. Apesar do fato de os EUA e a China serem rivais comerciais, empresas como o Google estariam dispostas a voltar a negociar livremente com a Huawei. dada a quantidade de usuários perdidos de outra forma. Daí a hipótese de que a Huawei seria sempre banida e sancionada em termos de conectividade (falaremos sobre isso novamente no final do artigo), mas livre do ponto de vista puramente comercial. Isso beneficiaria muitas empresas americanas que viram uma desvantagem econômica na proibição dos EUA.

Huawei e Google juntos de novo ... ou talvez não?

Supondo que as relações entre os EUA e a Huawei possam se suavizar com Joe Biden à frente do governo, surgem dúvidas sobre o setor de software. Salvo surpresas imprevistas, se a Huawei voltar a ser parceira do Google, certamente não o fará no curto prazo. E nos últimos meses a empresa tem focado muito em seu ecossistema, composto principalmente de Huawei Serviços Móveis ed AppGallery. Sem contar que HarmonyOS está chegando: os primeiros Betas eles chegarão em algumas semanas e em 2021 veremos eu primeiros smartphones que irá montá-lo por padrão em vez do Android.

Diante disso, faria sentido para a Huawei desistir do que fez e refazer seus passos? Talvez sim, talvez não. A Huawei pode ter preparado um plano B que prevê o retorno do Google em seus dispositivos, mas não é nada certo. Olhando para o copo meio cheio, esta proibição é considerada uma oportunidade para a Huawei andar em seus próprios passos, sem depender de terceiros. As vendas provarão que a Huawei está certa ou não, mas a tendência negativa na Europa não deve ser subestimada.

O confronto entre Huawei e os EUA não acabou

No entanto, a chegada de Joe Biden à presidência dos EUA não significa necessariamente um resultado positivo para a Huawei. Por exemplo, no verão de 2020 foi o próprio Biden um proibir o uso de TikTok para sua equipe de campanha. As razões apresentadas foram Trump-I, isto é riscos de segurança e privacidade. Em suma, parece que esse medo se enraizou nos Estados Unidos ao fornecer dados pessoais para plataformas tipicamente asiáticas, como no caso da criação do ByteDance. E é algo que só pode fazer você sorrir, visto que todos os dias alimentamos montanhas de dados para uma infinidade de aplicativos americanos, Facebook e Google em primeiro lugar.

Ao contrário dos ultimatos de Donald Trump, porém, a administração de Joe Biden parece que está mais dispostos a dialogar para entender como conter o problema. Durante a campanha eleitoral, Joe Biden destacou as questões de mercado relacionadas à China levantadas por Trump, como o roubo de propriedade intelectual e a dificuldade em conseguir que empresas americanas entrem na China.

"Se deixarmos o caminho livre para a Cona, ela continuará a privar as empresas americanas de sua propriedade intelectual. Também continuará a usar subsídios para dar às suas empresas estatais uma vantagem injusta."(retirados ForeignAffairs)

Mas ele também observou como Trump tinha o método errado de abordagem, considerado muito agressivo e focado nos argumentos errados. De acordo com o novo presidente, Os EUA e a China só se beneficiarão se cooperarem, vendo o crescimento chinês como uma oportunidade para os Estados Unidos.

"A maneira mais eficaz será construir uma frente unida de aliados e parceiros para lidar com o comportamento abusivo e as violações dos direitos humanos na China. Teremos que tentar cooperar com Pequim em questões para as quais nossos interesses convergem, como mudança climática e segurança sanitária global. Sozinhos, os Estados Unidos respondem por cerca de um quarto do PIB global. Quando nos juntamos a outras democracias, nossa força mais que dobrou. A China não pode se dar ao luxo de ignorar mais da metade da economia global. "

É improvável que voltemos a um período de relaxamento como poderia ter sido durante o governo Obama. Também cúmplice nestes anos tensos, é claro como a população americana está cada vez mais cética em relação às empresas chinesas. Esse é um parâmetro bastante relevante que o governo certamente terá que levar em consideração.

Há também quem faz isso pois, ao contrário do que aconteceu em 2016 com a eleição de Trump, o presidente Xi Jinping não se fez ouvir pelos elogios habituais ao recém-eleito Biden. Seria um sinal de desaprovação implícita ou apenas uma mera coincidência?

Um grande nó a ser resolvido é o do 5G

Além disso, em 2021 há um tema que não existia nos anos Obama e é o relacionado ao 5G. As redes de nova geração abriram as portas para novos debates econômicos / políticos, sendo um padrão poderoso, mas delicado. Até poucos anos atrás, a intervenção da Huawei e da ZTE certamente foi apontada como os alicerces da construção da infraestrutura 5G no mundo, mas hoje não é mais o caso. Especialmente em Europa, a única área ocidental onde as empresas chinesas conseguem ter alguma influência comercial.

Seguindo as decisões do governo Trump, nações aliadas, como Itália, Reino Unido, Germania, Suécia e Portugal decidiram cortar (parcialmente ou não) as relações com a Huawei. E a própria Europa pode ser um ponto focal no desenvolvimento das relações entre os EUA e a China. As intenções seriam aquelas de criar uma frente EUA / Europa para conter a dominação tecnológica chinesa, forçando o governo de Pequim a se comprometer. Basta esperar até 2021, ano em que se concretizará o governo Biden, para entender e analisar os próximos desdobramentos.

⭐️ Siga e apoie GizChina su Google News: clique na estrela para nos inserir nos favoritosi .
Lydsto