Os EUA liberam o CFO da Huawei, mas o processo continua

huawei cfo meng wanzhou

Foi quando 2018 Meng Wanzhou, CFO de Huawei assim como a filha do fundador Ren Zhengfei, ela veio preso no Canadá sub-ordem de USA. Uma notícia que causou certa sensação, iniciando as tensões entre EUA e China e que teria levado alguns meses depois ao infame proibição da Huawei. Conhecida na China como a "Princesa da Huawei", ela começou a trabalhar no departamento financeiro da empresa familiar em 1998. Ao longo dos anos, ela subiu na hierarquia para chegar à posição de diretor financeiro (diretor financeiro), bem como vice-presidente do conselho de administração.

Houve quem especulasse que Meng Wanzhou poderia suceder seu pai como CEO da Huawei. O fato é que em 1º de dezembro de 2018, antes de partir para uma viagem de Vancouver a Hong Kong, ela foi detida pela polícia canadense a pedido dos EUA. A motivação? Acusações de conspiração e fraude por instituições internacionais. Para ser exato, Meng foi acusado de resgatar dinheiro para a Huawei, mas que na verdade iria Skycom, uma subsidiária da Huawei que teria relações comerciais com o Irã. Relações que teriam como objeto a venda de equipamentos com tecnologias norte-americanas, violando as sanções e proibições impostas desde 2016 pelos Estados Unidos e pela União Europeia.

Upgrade 25 / 09: depois de anos de negociações, o CFO da Huawei foi liberado e libertado das garras dos EUA. Encontre todos os detalhes no final do artigo.

O CFO da Huawei pode retornar à China em breve: aqui estão as últimas implicações

Nas semanas seguintes, Meng veio emitido sob fiança, embora ela tenha sido submetida a vigilância eletrônica e retirada de passaporte. Desde então, ela foi forçada a não poder deixar a cidade de Vancouver e ser monitorada 24 horas por dia, 7 dias por semana, como parte do acordo de fiança. Os EUA então pediram extradição às autoridades canadenses, a fim de colocá-la em julgamento em solo norte-americano. Não só isso: em janeiro de 2019, os EUA acusaram o CFO de fraude bancária e telemática. No mesmo período, entre outras coisas, Huawei foi acusado de roubo de propriedade intelectual contra a operadora americana T-Mobile.

Ao longo de 2019, os advogados de Meng Wanzhou, por sua vez, ação judicial contra o governo federal canadense, acusando-a de tê-la detido, revistado e interrogado antes da prisão oficial. Manobra que teria sido implementada pelas autoridades americanas para assim obterem provas, sem as quais não poderiam prendê-la.

huawei meng wanzhou

De 2019 até hoje, a crítica jurídica já dura muito tempo, mas parece que algo está se movendo a favor de Meng. Como relata a Reuters, os EUA estariam dispostos a encerrar a disputa, deixando de lado a extradição e outros processos criminais. Fontes relatam o culpado e o pagamento de um multa muito alta (a extensão disso é desconhecida) contra o CFO da Huawei.

As partes estão em negociações há semanas para traçar o acordo, até porque as audiências judiciais terminaram em agosto e a data do julgamento está definido para 21 outubro. Esse "abrandamento" dos EUA também estaria ligado à prisão na China de dois canadenses, um dos quais foi condenado a 11 anos de prisão sob a acusação de espionagem. A liberação de Meng Wanzhou é vista como uma possível negociação para que a China faça o mesmo, mesmo que as fontes não falem sobre isso abertamente.

Upgrade 25 / 09

Depois de três anos de idas e vindas entre o Oriente e o Ocidente, as acusações que forçaram Meng Wanzhou a ficar no Canadá, esperando a conclusão da disputa judicial, foram retiradas. CFO da Huawei, bem como filha do fundador Ren Zhengfei, ela foi capaz de voltar para a China, na cidade de Shenzhen, a bordo de um voo da Air China. O diretor financeiro pôde voltar para casa graças ao acordo alcançado entre os governos americano e chinês. Depois de retirar o pedido de extradição do Canadá, o Departamento de Justiça retirou a continuação do julgamento. Por outro lado, Meng Wanzhou concordou em reconhecer as acusações americanas, admitindo as falsas declarações ao banco HSBC envolvido na fraude.

O Departamento de Justiça afirmou que "assumindo a responsabilidade por seu papel principal em perpetrar um esquema para fraudar uma instituição financeira global" Neste ponto, o Departamento diz que continua a se preparar para o julgamento contra a Huawei. Processo do qual também podem surgir implicações para a proibição da Huawei.

⭐️ Siga e apoie GizChina su Google News: clique na estrela para nos inserir nos favoritosi .